SANTUÁRIO PREPARA ARRANQUE DAS OBRAS PARA O VERÃO

by AÇOREANO ORIENTAL

A primeira fase da intervenção projetada para o Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres deverá avançar neste verão. Esta é a vontade do reitor do Santuário, o cónego Adriano Borges, que revela que “o processo está bastante bem encaminhado”.

A intervenção será realizada em três fases: a primeira corresponde à intervenção de restauro dos azulejos do coro baixo do Convento da Esperança e construção de um armazém, na zona que confina com a fábrica Melo Abreu, no fim da Avenida Roberto Ivens; a segunda fase, por sua vez, será a adaptação a Centro de Acolhimento ao Peregrino do edifício junto à roda; e a terceira fase será a reabilitação de todo o Convento.

Para a recuperação dos painéis de azulejos do mestre setecentista português António Oliveira Bernardes, onde se observa já destacamento, está já selecionada uma empresa que tem certificado internacional – “o que é importante”, sublinha o reitor que acrescenta que “foi aprovada pela Direção Regional da Cultura e também pela Comissão Diocesana dos Bens Culturais, e com certeza também aceite pelo Santuário”. Trata-se de uma intervenção “urgente”, tendo em conta que os azulejos do Coro Baixo do Convento “estão em franca degradação”, admitiu o cónego Adriano Borges. O reitor pretende que a obra avance “muito em breve, de preferência neste verão”, mas não sabe, contudo, quanto tempo vai demorar a ficar concluída. Isto porque, diz, “o trabalho de recuperação dos azulejos é um trabalho muito moroso. Há que retirar os azulejos que serão numerados. Depois há a recuperação da parede em si, por causa da humidade, depois será reposta a argamassa que serve para colar os azulejos e há ainda a recuperação individual de cada azulejo. Estamos a falar de uma intervenção muito grande”, admite.

Durante esta intervenção, o reitor do Santuário pretende que a imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres fique no mesmo sítio, para veneração dos fiéis. Para que isso seja possível, “vamos isolar as paredes e criar um corredor no meio da sala”, enquanto a intervenção decorre nas paredes laterais. “Não será um trabalho de pedreiro, de fazer grandes estragos, pelo contrário, será de um cuidado tal que quase não se poderá respirar”, explica o cónego Adriano Borges. Mas, admite, “se o responsável da empresa informar-nos que, de alguma forma, a imagem poderá ser afetada, claro que iremos proteger o Senhor Santo Cristo dos Milagres, e havemos de estudar qual a melhor forma de ficar para veneração dos fiéis”, adianta.

Enquanto decorre esta intervenção nos painéis de azulejos, será construído um armazém que servirá de arrecadação dos materiais utilizados na Festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres, atualmente armazenados no edifício situado no Pátio da Roda, onde também funciona uma pequena oficina para as reparações do dia-a-dia no Santuário – um espaço que também irá passar para este novo edifício a construir na zona do Convento, mais a norte, junto à fábrica Melo Abreu, no fim da Avenida Roberto Ivens.

Ficam assim reunidas as condições para ser iniciada a segunda fase das obras previstas para o Santuário. O edifício que serve atualmente de armazém e oficina será desocupado para ser adaptado a Centro de Acolhimento ao Peregrino. Como explicou o reitor do Santuário, a Direção Regional da Cultura está, neste momento, a avaliar “uma pequena modificação que pretendemos fazer aqui internamente e que também provocará uma diferença no exterior” do edifício. O Centro de Acolhimento ao Peregrino, adianta, “terá uma zona de apoio ao turista, de apoio às pessoas que aqui se deslocam, e terá uma pequena livraria com literatura relacionada com o Senhor Santo Cristo e com a religião”.

A terceira fase é a reservada à recuperação do Convento, “nomeadamente dos quartos onde muita gente estudou e que serão convertidos para quartos maiores, com casas de banho privadas, para no futuro servir os peregrinos, em especial os que têm de se deslocar de outras ilhas à procura de tratamentos, como tratamento oncológicos”, explicou o cónego Adriano Borges.

E o Museu?

Questionado sobre onde ficará o Museu do Senhor Santo Cristo dos Milagres, o cónego Adriano Borges explica que, “quando se fala de museu não será uma sala ou duas”.

“Teremos uma sala com exposições permanentes, das capas e de tudo o que envolve o culto ao Senhor Santo Cristo dos Milagres, mas também queremos fazer um percurso museológico, em que as pessoas entram pela zona da roda [Centro de Acolhimento ao Peregrino] fazem um percurso sobre a vida conventual, depois vão entrando nas salas onde têm as exposições, e provavelmente sairão pela Avenida Roberto Ivens”, revela o reitor do Santuário que salvaguarda que o projeto museográfico será definido com “a ajuda de especialistas”.

Paula Gouveia